Futebol na Terra da Rainha - Capítulo 3 - City Ground, a casa do Forest



É sempre muito interessante e prazeroso visitar o estádio de um clube bicampeão europeu. Quando este estádio está distante dos maiores e mais famosos centros de futebol do mundo, ele ganha ainda mais notoriedade. E se eu já tinha essa expectativa boa, ela aumentou quando tive a felicidade de ver, pela primeira vez ao vivo, o City Ground, situado na beira do rio Trent, um cenário majestoso que abriga o Nottingham Forest, bicampeão da então Copa dos Campeões em 1979 e 1980.
À frente da Brian Clough Stand, uma homenagem ao vitorioso técnico

Construído e inaugurado em 1898, o City Ground tem capacidade para receber 30.602 pessoas, todas sentadas, e assim como a maioria dos estádios no mundo, seu recorde de público supera - e muito - seu atual limite. Em 1967, 49.946 se espremeram para ver um jogo contra o Manchester United.
Gramado de primeiro nível e arquibancadas coladas nos bancos de reservas: típico estádio inglês

Já modernizado e com a capacidade atual, o City Ground recebeu três jogos do grupo D da Eurocopa, em junho de 1996. Os combates Turquia 0 x 1 Croácia, Portugal 1 x 0 Turquia e Croácia 0 x 3 Portugal foram disputados ali.

Mais um gramado impecável na Inglaterra



Sei que é repetitivo citar isso quando se fala de um estádio de futebol inglês, mas não custa nada falar de novo: a qualidade do gramado impressiona. O clube sempre mantém profissionais que ficam por conta de cuidar da grama, mesmo em dias em que não acontecem jogos, como foi na data em que visitei o estádio.
Fachada do City Ground mostra a lista de títulos conquistados pelo clube, cada um com o formato específico da taça

A recepção do estádio do Forest chama a atenção, apesar de nem de, fisicamente, nem chegar perto da estrutura de estádios de gigantes do país. A lista de títulos na fachada, que pode ser conferida na foto acima, merece olhares cuidadosos. E mais ainda quando se entra na recepção do clube, na foto abaixo, onde um busto do técnico bicampeão europeu Brian Clough se mistura a fotos históricas, flâmulas e posters.

Busto de Brian Clough na recepção do clube
Flâmulas diversas na entrada do City Ground

A satisfação que tive por simplesmente estar no estádio não se compara com a sensação de visitar a sala de reuniões onde o Forest guarda nada menos do que as duas Copas dos Campeões. Estar perto de troféus tão importantes é uma alegria para qualquer um que goste de futebol. Eu demorei a conseguir tirar os olhos das taças.

Sala de reuniões onde o Forest mantém as duas Copas dos Campeões conquistadas em 1979 e 1980


Todo o trajeto que fiz da estação de trem da cidade - por onde cheguei após duas horas super agradáveis desde Londres (via estação Saint Pancreas) - até o estádio foi super interessante. O trajeto pode ser percorrido a pé e após ver o estádio na beira do rio e sofrer aquele baque inicial, vi o pub onde os torcedores se reúnem para acompanhar as partidas, colado ao estádio, e a loja do clube, muito bem organizada e repleta de produtos do Forest.

Foto registrada na primeira vez que vi que o estádio, na beira do rio Trent


O pub ao lado do estádio onde os torcedores do clube se reúnem


A loja do clube, também ao lado do estádio, impressiona pelo tamanho e pela quantidade de produtos

O estádio tem todas as características clássicas daqueles campos britânicos, como a proximidade das arquibancadas com o gramado, os bancos de reservas colados na torcida, o gramado de excelente qualidade, a divisão por setores bem definida, com cadeiras numeradas.

No banco de reservas do time da casa, lugar ocupado por ninguém menos que Brian Clough

Campeão inglês uma vez logo depois de ter subido da segundona, em 1977/1978, o que lhe valeu o passaporte para a conquista da Europa em 1978/1979 (contra o Malmö, da Suécia) e 1979/1980 (em cima do Hamburgo, da Alemanha), o Forest tem no currículo também duas FA Cup (1898 e 1959) e quatro Copas da Liga Inglesa (1978, 1979, 1989, 1990), além da taça da Supercopa da Europa em 1979.


No City Ground, exibindo a atual camisa reserva do Forest, peça rara na minha coleção


Atualmente na Championship, a segunda divisão inglesa, o Nottingham Forest disputou a primeira edição da Premier League, em 1992/1993, foi rebaixado na mesma temporada e iniciou um sobe e desce entre a primeira e a segunda divisões até 1998/1999, quando voltou a cair. Nos anos 2000, chegou a disputar durante três temporadas a terceira divisão.

Detalhe do túnel de entrada dos jogadores no City Ground


Atualmente treinado pelo ex-técnico da Seleção Inglesa Steve McLaren, o Forest sonha em não só voltar à Premier League como, no mínimo, repetir campanhas de destaque que teve entre os maiores da Inglaterra. Nos anos 1980, foi três vezes terceiro colocado, posição que voltou a ocupar em 1994/1995. O City Ground merece.

Texto publicado originalmente em setembro de 2011

Confira os demais capítulos da série:
Capítulo 20 - No CT do Nottingham Forest  
Capítulo 21 - Um passeio por Upton Park


Capítulo 25 - Bob Paisley, o técnico mais vezes campeão da Europa

Comentários

  1. Muito bacana... Esse céu cinza inglês muito atraente. O estádio é sensacional!

    ResponderExcluir
  2. Mais um pra recordação! Sempre bom conhecer mais dos estádios ingleses, que são de dar inveja!

    ResponderExcluir
  3. Fred, imagino o sentimento de ir ao City Ground e de visitar as dependências do lendário Nottingham Forest. E que camisa bonita a preta, viu!

    ResponderExcluir
  4. Interessante demais poder conhecer a história de um time tão vitorioso...

    ResponderExcluir
  5. André Olímpio Resende5 de janeiro de 2012 13:30

    Sou torcedor dos Reds, achei muito legal a cobertura da sua visita ao City Ground, ainda irei visitar o City Ground pessoalmente. É uma pena o tempo de glórias ter ficada pra trás, a esperança é de que algum dia alguém faça pelo menos metade do que Clough fez pelo Forest.

    ResponderExcluir

Postar um comentário