A grande conquista de Marcelo Oliveira


O Cruzeiro confirmou o título brasileiro de 2013 com folga, justiça e uma enorme superioridade ao longo da competição. A conquista importante, aliada a um futebol muito superior aos demais concorrentes durante boa parte do Brasileirão coroa um trabalho muito bem feito durante todo o ano e que premia um profissional em especial, o técnico Marcelo Oliveira.

Não deve ser fácil chegar a um novo emprego sob desconfiança e com uma rejeição maciça em suas costas. Desde o momento em que seu nome foi cogitado pela diretoria, vários cruzeirenses se prontificaram a fazer plantão na porta da Toca da Raposa 2 para protestar, colocar nariz de palhaço e se negar a aceitar a contratação de Marcelo. Diretoria, aliás, que expôs Marcelo a esse tipo de reação ao falar seu nome ainda como uma possibilidade e não com a certeza de que ele seria o comandante em 2013.

Nesse mundo muitas vezes provinciano do futebol, no qual o passado de alguns profissionais os condenam de forma implacável, Marcelo brilhou. Comemorou ao berros um gol do Cruzeiro em um Mineirão lotado e teve gente amolando nas redes sociais, supondo, de maneira tola, que o grito do técnico fosse de "Galo". Reagiu a todas essas provações com a maior tranquilidade possível, a mesma com que respondeu inúmeras perguntas sobre seu passado atleticano, seu 'pecado' por ter começado a carreira no rival.

Marcelo Oliveira no traço de Diogo Martins
Marcelo ajudou a formar uma equipe e a ajustar várias contratações feitas de uma só vez com uma pressão imensa sob suas costas, pelo seu passado e pelas duas últimas temporadas do Cruzeiro, abaixo da crítica. Trouxe jogadores de sua confiança que eram apenas apostas em janeiro, mas que terminam o ano como certezas, caso de Éverton Ribeiro. Soube como montar uma equipe que tinha alternativas táticas que o permitiram mudar peças sem perder a força, deixou estrelas de primeiro nível no banco sem maiores aborrecimentos, caso de Dagoberto, e fez o Cruzeiro jogar como ele fez em boa parte de sua carreira, com bola no chão, passes rápidos e muita movimentação. Garotos como Mayke, Lucas Silva e Vinícius Araújo cresceram sob seu comando e estão se firmando com tranquilidade.

Trabalhando em silêncio, sem alarde, encaixando as peças da equipe, Marcelo conseguiu resultados que já seriam ótimos na segunda ou na terceira temporada sob seu comando. Fez um bom Campeonato Mineiro, apesar do vice-campeonato, e poderia ter eliminado o Flamengo da Copa do Brasil se ousasse mais no jogo do Maracanã, talvez o maior deslize do ano - e pergunta se a eliminação, mesmo com o time na liderança do Brasileirão, não foi o suficiente para ele ser questionado.... 

Mas o balanço é mais do que positivo. Comemora o título mais importante de sua carreira como treinador. Título que ele soube construir com dedicação, trabalho, profissionalismo, humildade, paciência e competência. É o maior vencedor deste Brasileirão.


Para ver mais ilustrações de Diogo Martins, acesse diogormartins.tumblr.com



Comentários

  1. Isso, isso, isso...
    Parabéns pela análise.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário