A volta do Mineirão






O ano futebolístico de 2012 não poderia terminar sem eu visitar um velho amigo, um velho amigo que passou por uma reformulação, uma recauchutada. Mas que me deixou muito feliz por rever. Enfim, o Mineirão vai voltar a fazer parte da minha rotina e o próximo encontro já tem data marcada, o domingo, quando o estádio vai receber o clássico entre Cruzeiro e Atlético, abrindo o Campeonato Mineiro e reabrindo suas portas para os torcedores. O local que sempre frequentei voltou com cara nova, mais moderno, mais bonito e com um estilo que se aproxima muito de várias arenas que tive o prazer de visitar em vários países.

Acessos internos dão bem uma impressão do que o torcedor poderá encontrar
(foto: Divino Advíncula/PBH)

Os acessos estão bem sinalizados, as cadeiras mais confortáveis e com números que permitem que o torcedor tenha seu lugar garantido e reservado. O gramado está muito mais próximo do torcedor. Os vestiários e acessos internos comprovam que o estádio está de primeiro nível, pronto para receber grandes jogos e grandes eventos - aliás, o inglês Elton John vai se apresentar no Mineirão no dia 9 de março, um prenúncio de que Belo Horizonte poderá receber vários outros espetáculos de ponta.

Cadeiras de primeiro nível, confortáveis e retráteis e vestiários espetaculares
(fotos: Governo MG)

Sala de aquecimento do novo Mineirão
(foto: Governo MG)

A partir do clássico mineiro, os belo-horizontinos vão se deparar com o início de uma nova era, de uma nova relação com o futebol. Do lado de fora, a esplanada, que vai ser um espaço de convivência com área comercial e palco de espetáculos, os torcedores vão der de cara com novas catracas que nem de longe vão lembrar aqueles espaços apertados por onde passavam. Aqueles que tiverem mais condições, terão camarotes espetaculares para se esbaldarem.

Catracas bem diferentes das que os torcedores estavam acostumados..
(foto Divino Advíncula/PBH)



Uma das maiores atrações do estádio é a nova cobertura (foto Governo MG)

Essa nova relação passa por várias questões. O estádio está bonito, mais funcional e, ao que tudo indica, também será um pouco mais caro para os torcedores acompanharem jogos por lá, uma mudança que seria natural. Talvez, com novas atrações como as lojas dos clubes e um museu do futebol faça valer a pena a todo fã do esporte um passeio ao local, criar uma relação mais interessante com o estádio no dia do jogo do seu time. 


Assentos marcados e proximidade do gramado, mudanças muito bem-vindas (fotos Divino Advíncula/PBH)


O estádio é bacana, o torcedor terá cadeiras mais confortáveis, acessos mais fáceis e uma proximidade do gramado como nunca teve. A relação vai ser diferente do que era há alguns anos. Com o tempo, torço para que todos os ajustes possíveis (especialmente a compra de ingressos) sejam feitos para proporcionar ao torcedor a oportunidade de curtir ao máximo a experiência de ir ao estádio de primeiro nível. Sem o torcedor, o Mineirão nem teria razão de ser.









Os detalhes do novo Gigante da Pampulha
·         Assentos: 62.160
·        Dimensão do gramado: 105m x 68m, forrado com grama bermuda celebration.  Areia e fibra foram misturados na terra do campo para maior resistência
·         54 sanitários para público geral, além de 15 nas áreas de hospitalidade e mais 10 externos, na esplanada e no complexo como um todo.
·         Área comercial: com 7.524 metros quadrados, será dividida em módulos, abrangendo tanto o interior do estádio como a esplanada externa e terá capacidade para 47 lojas.




·         Bares e lanchonetes: 58 bares e lanchonetes estarão espalhados por todos os setores do estádio, inclusive nas áreas de hospitalidade.
·         Lounges: Equipados com TV e ar condicionado, têm banheiros exclusivos e previsão de quiosques. Um deles chega a acomodar 210 pessoas. Outros dois, localizados em ambos os lados, atendem as cadeiras especiais com instalações exclusivas que poderão ser ocupadas por aproximadamente 2.800 pessoas com bares e banheiros dedicados.
·         98 camarotes com mais de 2 mil assentos dedicados

·         Estacionamento com 2.925 vagas
·   Obra verde: Iluminação fornecida por energia solar. Reutilização da água de chuva, com capacidade de armazenamento que chega a 6 milhões de litros (capacidade suficiente para suprir três meses de estiagem) para irrigação e limpeza, além do reaproveitamento de 90% dos entulhos provenientes da obra.
·         Instalações para a imprensa: Capacidade de operação para 388 jornalistas e é equipada com 160 estações de trabalho. A imprensa terá entrada, bar, lanchonete e banheiro exclusivos, além de zona mista, salas de coletiva estruturadas, estúdios, área para entrevistas, setor equipado com mesas, pontos de energia e de internet. Uma ampla área será destinada ao broadcasting, com tecnologia que permite ligações rápidas e simples, reduzindo o tempo necessário para planejamento e deslocamento de equipes.
·         Estrutura do subsolo: Escritórios, estúdios de TV, espaço para entrevistas, vestiários, instalações para os atletas. Áreas de apoio aos bombeiros, segurança e juizados especiais.

A obra em detalhes
·         1ª etapa - de janeiro a junho de 2010, com custo de R$ 8,3 milhões com recursos do Governo de Minas, incluiu reparos estruturais no Mineirão.
·          2ª etapa – de junho a dezembro de 2010, com custo de R$ 3,5 milhões com recursos do Governo de Minas. Foram feitos a demolição de parte da arquibancada inferior e da geral do estádio, e o rebaixamento do campo em 3,4 metros.
·         3ª etapa - de dezembro de 2010 a dezembro de 2012, com custo de R$ 654,5 milhões, com recursos da Minas Arena. Fase que adequou o estádio ao mais alto padrão de qualidade estabelecido pela Fifa.


Ao todo, 3.000 operários trabalharam na obra nos momentos de pico, entre eles 103 mulheres, 46 detentos e 82 jovens que tiveram a carteira assinada pela primeira vez. Também foram oferecidos cursos de alfabetização para os operários no canteiro de obras.

Números e curiosidades do Mineirão

Partidas históricas

  •         Seleção Mineira 1 x 0 River Plate, em 5 de setembro de 1965, jogo inaugural do estádio. Primeiro gol do Mineirão foi feito por Buglê, jogador do Atlético
  •      Cruzeiro 6 x 2 Santos, em 30 de novembro de 1966, pelo jogo de ida da Taça Brasil, conquistada pelo time mineiro em São Paulo
  •          Atlético 2 x 1 Seleção Brasileira, em 3 de setembro de 1969, amistoso que colocou o time mineiro, vestido com a camisa da Federação Mineira de Futebol, diante da histórica equipe de Pelé que seria campeã mundial no ano seguinte.
  •   Atlético 1 x 0 São Paulo, em 12 de dezembro de 1971, pelo triangular final do Campeonato Brasileiro, vencido pelo Atlético na semana seguinte, no Rio.
  •           Cruzeiro 5 x 4 Internacional, em 7 de março de 1976, pela Copa Libertadores, que seria vencida pelo time mineiro contra o River Plate, da Argentina.
  •        Cruzeiro 0 x 0 Bayern de Munique, em 21 de dezembro de 1976, partida final da Taça Intercontinental, o antigo Mundial de Clubes. Como perdeu na Alemanha o jogo de ida por 2 a 0, o time mineiro ficou com o vice-campeonato.
  •         Atlético 2 x 0 Olimpia, em 16 de setembro de 1992, pela Copa Conmebol, jogo de ida da final da competição sul-americana, vencida pelo Atlético no Paraguai.
  •      Cruzeiro 1 x 0 Sporting Cristal, em 13 de agosto de 1997, final da Copa Libertadores, partida que deu ao Cruzeiro o bicampeonato da competição.
  •    Atlético 1 x 1 Lanús, em 17 de dezembro de 1997, partida que deu ao Galo o bicampeonato da Copa Conmebol, segunda maior competição sul-americana da época.
  •     Cruzeiro 2 x 1 Paysandu, em 30 de novembro de 2003, partida na qual o Cruzeiro confirmou o título de campeão brasileiro.

Os recordes de público
A partida com o maior número de pagantes foi o clássico entre Cruzeiro e Atlético, realizado em 4 de maio de 1969, pelo Campeonato Mineiro. O jogo, vencido pela Raposa por 1 a 0, levou 123.351 pessoas ao estádio. Já a partida com o maior número de presentes foi Cruzeiro 1 x 0 Villa Nova, em 22 de junho de 1997, pelo Campeonato Mineiro. O Mineirão recebeu 132.834 pessoas, recorde do estádio.
A Seleção Brasileira no Mineirão
A Seleção Brasileira jogou 20 vezes no Mineirão e tem um retrospecto extremamente positivo, com 15 vitórias, três empates e apenas duas derrotas, uma delas em amistoso para o Atlético, em 1969, e outra para o Peru, em 1975, pela Copa América. O Mineirão recebeu três jogos do Brasil pelas eliminatórias da Copa do Mundo. Em 1993, venceu a Venezuela por 4 a 0, em 2004 fez 3 a 1 na Argentina, com três gols de Ronaldo, e em 2008, novamente contra a Argentina, ficou no empate em 0 a 0.
Jogos realizados: 3.386
Gols marcados: 9.307
Primeiro gol: Buglê, jogador do Atlético, atuando pela Seleção Mineira, no jogo contra o River Plate (Argentina), vencido pelos mineiros por 1 a 0, na inauguração do estádio
Os maiores artilheiros:
1 – Reinaldo (Atlético), 152 gols
2 – Tostão (Cruzeiro), 143 gols
3 – Dario (Atlético), 129 gols
Jogadores que mais atuaram no Mineirão
1 – Nelinho (Cruzeiro/Atlético) – 348 jogos

 2 – Vanderlei Paiva (Atlético) – 345 jogos
3 – Zé Carlos (Cruzeiro) – 318 jogos

Comentários

  1. Parabéns! Que traga sorte ao futebol brasileiro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário