1981 - Uma Libertadores marcante para o Atlético


Esqueça a campanha que levou o Atlético à semifinal da Libertadores de 1978, deixe de lado também a estreia na competição, em 1972, assim como os bons momentos do time de Marques e Guilherme em 2000. A lembrança mais forte para todos os atleticanos quando se fala de Libertadores, antes, claro, do título de 2013, remete a 1981, época em que um time cheio de estrelas foi eliminado em um polêmico jogo extra contra o Flamengo, em Goiânia.



O Atlético fez parte do grupo 3, composto também pelo Flamengo e pelos paraguaios Olimpia e Cerro Porteño. Apenas o campeão da chave se classificava e ia direto para a semifinal, disputada em dois grupos de três. Com elencos fortes e equilibrados, os brasileiros dominaram a chave e terminaram empatados com 8 pontos, o que forçou o famoso jogo extra em um campo neutro. Os dois clubes perderam pontos preciosos em casa, o que acabou resultando no empate em pontos.


O Atlético de 1981, recheado de craques
A estreia alvinegra aconteceu no Mineirão, no dia 3 de julho, diante de 61.135 pagantes, exatamente contra o Flamengo, em partida que ainda mantinha as feridas abertas na decisão do Brasileirão de 1980, vencida pelo clube carioca. Com arbitragem do mesmo polêmico José Roberto Wright que protagonizaria o confuso jogo do Serra Dourada no mês seguinte. Foi o primeiro vacilo atleticano naquela Libertadores. Após estar vencendo por 2 a 0, gols de Éder, o Galo permitiu o empate com Nunes e Marinho. O segundo gol flamenguista saiu a cinco minutos do fim. O Atlético entrou em campo com João Leite, Orlando, Osmar, Luisinho e Jorge Valença; Chicão, Toninho Cerezo e De Rossis (Paulo Martins); Vaguinho, Reinaldo e Éder. O técnico era Pepe. O Flamengo estreou no torneio com Cantareli, Leandro, Marinho, Mozer e Júnior; Vítor, Andrade (Luis Fumanchu) (Figueiredo) e Zico; Tita, Nunes e Baroninho. Confira abaixo o vídeo com gols e lances do jogo:



Já com Carlos Alberto Silva no comando, o Atlético viajou ao Paraguai, de onde trouxe três pontos (naquela época, a vitória valia dois). Primeiro, empatou com o Olimpia em 0 a 0 no estádio Defensores del Chaco, e depois conseguiu uma apertada vitória de 1 a 0 contra o Cerro, gol de Éder, no mesmo estádio, a três minutos do fim da partida.

Com Palhinha estreando e marcando, o Galo voltou a vencer um paraguaio, desta vez o Olimpia por 1 a 0, no Mineirão, diante de 56.218 pessoas, dando um passo importante para garantir a liderança da chave. Até então, o Flamengo tinha vencido, em casa, o Cerro Porteño (5 a 2) e apenas empatado com o Olimpia em 1 a 1 no Maracanã. Mas aí o Atlético vacilou. Sem Éder, expulso contra o Olimpia, o Galo apenas empatou em casa contra o Cerro, em 2 a 2, gols de Reinaldo e Vaguinho - este, a dois minutos do fim do jogo.

Única Libertadores que Reinaldo jogou foi em 1981


Empatados em pontos, Atlético e Flamengo praticamente iriam decidir a vaga no jogo entre os dois no Maracanã. E mais uma vez ficaram no 2 a 2, com todos os gols no segundo tempo. Palhinha fez 1 a 0 para o Galo, enquanto Nunes e Tita, em um espaço de três minutos viraram, em falhas grotescas da defesa do Atlético. Reinaldo empatou de novo, em jogo no qual De Rosis foi expulso pelo árbitro Sérgio Rosa Martins (veja abaixo o vídeo com lances e gols do empate no Maracanã). Para se classificar, o Flamengo teria que fazer mais pontos em seus jogos no Paraguai. Mas somou exatamente os mesmos três do Atlético, vencendo o Cerro Porteño e empatando com o Olimpia.



A decisão da vaga ficou, portanto, para o jogo extra de 21 de agosto, no Serra Dourada, em Goiânia, completamente tomado por 71.527 pagantes. Pena que o jogo durou 37 minutos. Foi nesse momento que o quinto jogador atleticano foi expulso pelo irritado e descontrolado José Roberto Wright, que iniciou a série de cartões vermelhos aos 35 minutos, quando Reinaldo fez uma falta em Zico no meio do campo. Éder, Chicão, Palhinha e Osmar foram os outros expulsos por reclamação ou o que quer que fosse. Indignados, os jogadores atleticanos que iam deixando o gramado faziam os tradicionais gestos de roubo para Wright. As expulsões frenéticas e a motivação para a atitude do árbitro nunca tiveram uma explicação clara. Já se falou que os jogadores do Atlético não queriam jogo e que estavam nervosos, assim como foi falado que a partida estava comprada pelo time carioca, entre tantas outras explicações. O fato é que, para os atleticanos, a ferida nunca foi cicatrizada e o triste término daquele jogo, seguido da decisão da Conmebol de manter o Flamengo na competição, acirrou ainda mais a rivalidade entre os dois clubes. Um fim melancólico para uma geração especial do Atlético. No link abaixo, está o jogo na íntegra, com todos os detalhes da confusão:


Classificado, o Flamengo caiu em grupo tranquilo nas semifinais, que tinha o Jorge Wilstermann (Bolívia) e o Deportivo Cáli (Colômbia). Na outra chave, o chileno Cobreloa eliminou os uruguaios Peñarol e Nacional e acabou sendo derrotado após três jogos pelo Flamengo na final. Como os argentinos River Plate e Rosário Central tinham sido eliminados na primeira fase, o rubro-negro foi o primeiro clube brasileiro a se tornar campeão da Libertadores sem enfrentar nenhum argentino ou uruguaio, feito repetido depois apenas por Grêmio (1995) e Cruzeiro (1997).  

Confira os demais capítulos da série sobre o Atlético na Libertadores:

Comentários

  1. O flamengo se projetou as custas do Atlético mineiro levando em consideração a decisão do campeonato brasileiro de 1980 e libertadores de 1981

    ResponderExcluir
  2. Um jogo atípico,apitado por um juiz desiquilibrado e além de tudo "bairrista". Nada me tira da cabeça que esse infeliz e nefasto tenha sido "comprado" pelas "forças ocultas"(Rede Globo e CBF)da época,para dar o "serviço" em cima do Galo de Minas.

    ResponderExcluir
  3. Alguém consegue me citar um campeonato ganho pelo Flamerda que não teve sempre algo mutio estranho, para ser camarada muito suspeito. Alguém sabe citar um?

    ResponderExcluir
  4. Tudo isso é muito simples de se entender. Clocaram o mesmo arbitro que expulsou o Reinaldo na final do brasileiro de 1980 para apitar o jogo em que quem vencesse passaria de fase. Novamente Reinaldo foi expulso. A pergunta é? porque um arbitro brasileiro apitaria uma decisão de libertadores em um tempo em que tudo podia. O mesmo que havia expulsado o Reinaldo na final do brasileiro um ano antes... brincadeira. Bem, mas agora o flamengo está onde merece... totalmente desqualificado... Não ganha mais nada,,, Nem a guanabara e nem o carioca. justiça acabaram as roubalheiras...

    ResponderExcluir
  5. Tudo isso é muito simples de se entender. Clocaram o mesmo arbitro que expulsou o Reinaldo na final do brasileiro de 1980 para apitar o jogo em que quem vencesse passaria de fase. Novamente Reinaldo foi expulso. A pergunta é? porque um arbitro brasileiro apitaria uma decisão de libertadores em um tempo em que tudo podia. O mesmo que havia expulsado o Reinaldo na final do brasileiro um ano antes... brincadeira. Bem, mas agora o flamengo está onde merece... totalmente desqualificado... Não ganha mais nada,,, Nem a guanabara e nem o carioca. justiça acabaram as roubalheiras...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ARBITRO DA FINAL DO BRASILEIRO DE 1980 JOSE ASSIS DE ARAGÃO E NÃO JOSE ROBERTO WHRITE.

      Excluir
  6. ARBITRO DA FINAL DO BRASILEIRO DE 1980 JOSE ASSIS DE ARAGÃO E NÃO JOSE ROBERTO WHRITE.

    ResponderExcluir

Postar um comentário