Novo encontro de colecionadores de camisas de futebol em Belo Horizonte



O É Gol Jumping Bar, que fica na rua Lavras, 415, no bairro São Pedro, em Belo Horizonte, vai receber no próximo sábado, dia 16, a partir das 14h, mais um Encontro dos Colecionadores de Camisas. O último, que aconteceu em março, reuniu várias pessoas também no É Gol, e foi uma festa e tanta. Clique aqui para ver as fotos do encontro, registrado pelo blog Camisaria Futebol Clube, que mantenho em parceria com os amigos André Fidusi e Fábio Pinel.

O próximo encontro, uma iniciativa do Camisaria Futebol Clube e da Associação dos Colecionadores de Camisa de Minas Gerais (ACC-MG), tem entrada gratuita e é aberto a todos que queiram mostrar objetos da coleção, trocar, vender, exibir peças raras e afins. E, claro, está com as portas abertas para todos os curiosos que queiram se divertir com a "maluquice" dos colecionadores.

Como o que é bom não custa repetir, na época do primeiro encontro reproduzi aqui no blog uma crônica do amigo André Fidusi, que vou publicar novamente. Quem já leu, leia de novo. Quem ainda não conhece, divirta-se. Os fãs de camisas de futebol vão se identificar instantaneamente. Confiram:

Camiseiro

"Julinho é um grande amigo meu. Doido por futebol. Daqueles que compram tudo: chaveiro, caneca, bandeira. Certa vez, ao pegar uma carona com ele, vi que carregava duas bolas oficiais iguaizinhas no porta-malas. Pensei: “Por que alguém carrega duas bolas dentro do carro?”. “Vai que uma fura?”, disse Julinho, como se lesse meu pensamento.

Mas um artefato futebolístico em especial era a grande paixão de Julinho: camisas de times. Tinha tanta camisa que deixava Marcinha, sua esposa, de cabelo em pé. Ir ao shopping era um tormento. Mas não por causa dela. Julinho ficava babando em toda loja de esportes que via pela frente, tipo cachorro olhando frango assado na padaria. E, é claro, saia com umas duas sacolas cheias, para desespero de Marcinha.


Apaixonado por times ingleses, um dia colocou uma camisa vermelha para ir a um batizado. Quando saiu do quarto, Marcinha deu aquela encarada e sapecou: “Eu não acredito que você vai com essa camisa!”, já com a voz irritada. “Meu bem, essa é a camisa do Liverpool, campeão da Champions de 2005! Número 8, do Gerrard, tem até o patch, olha só!”, retrucou contente. Ela não entendeu nada.


Não pense você que só de times famosos vive a coleção de Julinho. Nas últimas férias de final de ano, o casal viajou para o Pará. Marcinha planejou cada detalhe do passeio. Pontos históricos, praias, pato no tucupi, cidades do interior. Pois é, cidades do interior. Numa dessas, Marcinha quase perdeu as estribeiras. Julinho avistou uma minúscula lojinha de esportes. Pronto. Saiu de lá vestido com uma camisa do Ananindeua. Isso mesmo, do Ananindeua. “Julinho, nem os jogadores do time devem ter essa camisa!”, já desanimada. “Mas meu bem, o Ananindeua foi fundado no dia que eu nasci! E essa camisa é a do campeonato...”. Marcinha já está longe.

Mas Julinho era radical num ponto. Camisa de clube rival nem pensar. Dois em destaque não tinham lugar na sua vasta coleção. Não vou falar os nomes. Uma vez ganhou de um desavisado uma delas. No outro dia já estava à venda no Mercado Livre. Marcinha não entendia: “Mas você não coleciona camisas de futebol? Então?”. “Tudo tem limite, meu amor. Até a minha coleção”, esbravejou. A relação dos dois já andava na corda bamba por causa dessa paixão, contra a qual Marcinha insistia em disputar.

A gota d’água aconteceu num casamento. Ou melhor, antes dele. Julinho apareceu na sala, depois de horas se arrumando, com a camisa da Seleção Brasileira de 1914, aquela gola pólo com cordinha, por baixo do paletó. “Tô pronto, amorzinho”, disse ingênuo. Bastou. “Chega! Ou eu, ou essa maldita coleção!”, foi o ultimato de Marcinha.
Ontem encontrei Julinho. Ele me disse que sua coleção aumentou".

Comentários

  1. Qualquer semelhança não é mera coincidência.
    Ludmila, a esposa do cronista aí!

    ResponderExcluir
  2. tenho uma camiseta do palmeiras da decada de 60
    gostaria de vender se ouver enteresse por favor entrem em contato pelo fone 0151432230350 falar com Denis sem mais agradeço a atenção muito obrigado !!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Tenho uma camisa Oficial da Seleção Brasileira da Copa do Mundo da França de 98, utilizada pelo próprio Cafú nr 2 e autografados pelo técnico Zagalo e demais jogadores, gostaria de avaliá-la para vendê-la, alguém poderia me ajudar ?

    Ribniker (011) 7876-3072
    eletrotecmotores@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. Tem Um Time De Minas Gerais De Turmalina Correndo Atras DO PROFISSIONALISMO O TIME SE CHAMA REAL SPORT CLUB SE QUISER COLOCAR NO SEU SITE AI O ENDEREÇO DO SITE. www.realsportclub10.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Quero vender uma camiseta do grêmio é oficial do ano de 2000 no ano em que o gremio campeao da copa do brasil. Doada pelo Paulo Odonel
    tem os autogrefos de alguns jogadores
    zinho,darlei,marcelinho,polga,tecnico titi,pitol,mauro galvão,emerson,rubens cardoso,gilberto,rodrigo fabricio, ,leandro,fernando,gavião e outros
    anderson lima
    clariceruschel@yahoo.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário