Os maiores times dos 109 anos do Galo


O Atlético completou 109 anos no sábado, dia 25, e eu publiquei no blog a minha seleção histórica do clube - clique aqui para ver. Muitos opinaram, concordando com alguns eleitos e discordando de outros. Com a seleção, outro debate tomou conta das redes sociais: qual foi o melhor time do Galo que você viu jogar? Aproveitando que ainda estamos próximos da data do aniversário, decidi responder aqui quais foram os cinco principais times que acompanhei.

Assim como fiz com a minha seleção dos 109 anos do clube, também adotei alguns critérios para chegar aos escolhidos. O primeiro corte é o mesmo que usei para selecionar os melhores: levei em conta os time que eu vi jogar. E como comecei a acompanhar futebol no início dos anos 1980, apenas entram na lista os times a partir daí. Sim, o time de 1971 é importante para a história do Galo, mas não vi jogar. Outra coisa: na dúvida entre dois times, aquele que venceu o título mais importante levou vantagem. Vamos lá:

Time de 2013
A equipe que fez uma primeira fase espetacular na Libertadores e chegou ao título continental com viradas históricas nos pênaltis e com lances inacreditáveis, como a defesa com os pés de Victor contra o Tijuana, não só deu ao Galo sua maior conquista como era um timaço. A base começou a ser montada em 2012, com a chegada de três peças fundamentais para as glórias do ano seguinte: Victor, Jô e, especialmente, Ronaldinho Gaúcho.

Sob o comando de Cuca, o time fez um primeiro turno espetacular no Brasileirão de 2012. Ronaldinho era o dono do time, Jô estava em ótima fase e Victor se garantia lá atrás. Marcos Rocha e Júnior César tomavam conta das laterais, a zaga era acima da média (Leonardo Silva e Réver), os volantes Pierre e Donizete sustentavam a marcação e, na frente, Bernard voava. 

Em 2013, o time ficou ainda melhor. O ídolo Diego Tardelli voltou e formou um quarteto ofensivo avassalador, com Ronaldinho, Jô e Bernard. Josué e Gilberto Silva foram importantes substitutos, assim como Luan, Alecsandro, Richarlyson, Guilherme e Rafael Marques. Um gênio no meio-campo e vários jogadores com poder de decisão em todos os setores do campo formaram um timaço e levaram o Galo à conquista da Libertadores.

Time: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Réver e Júnior César (Richarlyson); Pierre, Leandro Donizete (Josué), Ronaldinho Gaúcho e Bernard; Jô e Tardelli. Técnico: Cuca
Títulos: Copa Libertadores (2013) e Campeonato Mineiro (2013)

Título da Libertadores foi o auge da equipe de 2013:



Time de 1986
O Galo tinha uma boa base em 1985, quando foi semifinalista do Brasileirão e campeão mineiro. Em 1986, decidiu reforçar a equipe com jogadores experientes e de qualidade comprovada, como Renato Morungaba, Zenon e Nunes. Já tinha na equipe Elzo e Edvaldo, que jogariam a Copa do México, Nelinho, Luisinho e Sérgio Araújo. Sem falar no goleador Éverton, no eficiente zagueiro Batista e em Paulo Isidoro.

Na época, o campeonato estadual tinha muito mais peso e importância (além de ocupar uma boa parte do calendário) e o Atlético passeou no Mineiro, com direito a goleadas como os 8 a 1 no Fabril e 6 a 0 no Esportivo. Venceu os dois clássicos contra o Cruzeiro, liderou de ponta a ponta e deu show, com direito a 26 gols de Nunes - marca que desde então não foi superada no estado.

No Brasileirão, deu show e foi o último time a perder a invencibilidade, já na segunda fase, mas sem correr risco de eliminação em nenhum momento. O campeonato, porém, sofreu com viradas de mesa, mudanças de regulamento e inchaço na segunda fase e acabou terminando só em 1987. Na virada do ano, o time perdeu Nunes e um pouco de ritmo, mas ainda assim eliminou Flamengo e Cruzeiro, parando na semifinal diante do Guarani. 

Time: João Leite (Pereira); Nelinho, Batista, Luisinho e João Luís; Elzo, Éverton e Zenon (Paulo Isidoro); Sérgio Araújo, Nunes e Edvaldo (Renato Morungaba). Técnico: Hilton Chaves
Título: Campeonato Mineiro (1986)

Os gols de Galo 6 x 0 Esportivo, que valeu o bicampeonato mineiro:


Time de 2014
Sem algumas peças importantes do time campeão da Libertadores, a equipe fez um segundo semestre primoroso. Veloz, ousado e muito ofensivo, o time de Levir Culpi deu ao clube sua primeira Copa do Brasil eliminando de maneira impressionante Corinthians e Flamengo e derrotando o rival Cruzeiro na final, com duas vitórias em dois jogos. Antes, já tinha passado pelo Palmeiras.

Sem Cuca no comando, Réver, Júnior César, Ronaldinho e Bernard, além de alguns reservas de 2013, os antigos reservas tomaram conta do time. Jemerson assumiu uma vaga na zaga, Dátolo e Luan assumiram a titularidade e voaram na Copa do Brasil, assim como Maicosuel e Carlos foram decisivos. Na lateral esquerda, Douglas Santos chegou e correspondeu.

Antes da Copa do Brasil, a mesma base ajudou a conquistar a Recopa Sul-Americana em julho, ainda com Ronaldinho, e fez um bom papel no Brasileirão, chegando em 5º lugar, inclusive vencendo os dois jogos contra o Cruzeiro, que seria o campeão naquele ano. 

Time: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Jemerson e Douglas Santos; Rafael Carioca (Pierre), Leandro Donizete (Josué), Luan e Dátolo; Diego Tardelli e Carlos (Maicosuel). Técnico: Levir Culpi
Títulos: Copa do Brasil (2014) e Recopa (2014)

A incrível virada na semifinal da Copa do Brasil contra o Flamengo:


Time de 1997
Depois de um primeiro semestre fraco, com eliminações precoces na Copa do Brasil e no Campeonato Mineiro e com contratações que deram errado, como Evair e Márcio Santos, o técnico Eduardo Amorim deixou o Galo e deu lugar a Emerson Leão, que modificou o jeito do time jogar. Para isso, contou com algumas peças fundamentais.

Na virada do semestre, três jogadores chegariam para mudar o time atleticano. O meia Jorginho e os atacantes Valdir e Marques - este se transformaria em um dos maiores ídolos da história do clube e o principal jogador do Atlético na virada do século. Com um time compacto, forte na marcação comandada pelo volante Doriva, com Dedê em ótima fase e veloz no ataque, o Galo teve um ótimo final de ano.

A equipe venceu a Copa Centenário de Belo Horizonte, derrotando o Cruzeiro na final, o que deu mais motivação para a boa campanha no Brasileirão (chegou à fase semifinal) e para a conquista do bicampeonato da Copa Conmebol. O título sul-americano veio com ótimas atuações contra o América de Cáli e, especialmente, o Lanús, goleado na Argentina por 4 a 1 na final.

Time: Taffarel; Bruno, Sandro Blum, Luiz Eduardo e Dedê; Edgar (Roberto), Doriva, Hernâni e Jorginho; Valdir e Marques. Técnico: Emerson Leão
Títulos: Copa Conmebol (1997) e Copa Centenário (1997)

A goleada contra o Lanús na Argentina na decisão da Conmebol

Time de 1983
Foi o último ano em que uma série de jogadores sensacionais jogou junto. Atletas revelados na década passada, como Reinaldo, Toninho Cerezo e João Leite, com jogadores que chegaram depois e se adaptaram de forma brilhante ao time, como Éder, Luisinho e Nelinho, formaram a base de um time fortíssimo.

No primeiro semestre, o último de Cerezo antes da ida para a Itália, outra ótima campanha no Campeonato Brasileiro que parou na fase semifinal, desta vez diante do Santos. Na reta final do ano, como era de praxe, um tempo gigantesco dedicado ao Campeonato Mineiro, que tinha uma relevância bem maior no cenário da época.

No estadual, já sem Cerezo, o time conquistou com tranquilidade o hexacampeonato mineiro, a maior sequência de títulos estaduais da era profissional do futebol de Minas Gerais. Na campanha, entre outros bons jogos, um 4 a 0 sobre o Cruzeiro. O Galo ainda conquistaria outros estaduais na década, mas este marcava o fim de uma grande série e a qualidade de um baita time.

Time: João Leite; Nelinho, Olivera, Luisinho e Jorge Valença; Toninho Cerezo, Heleno (Marcelo) e Renato; Catatau, Reinaldo e Éder. Técnicos: Paulinho de Almeida e Mussula
Título: Campeonato Mineiro (1983)

Os gols da goleada do Galo sobre o Cruzeiro pelo Mineiro de 1983:

Menções honrosas
Era inevitável que alguns bons times ficassem de fora, mas valem ser lembrados as seguintes equipes:

  • Time de 2001 - Com Marques e Guilherme em boa fase, Gilberto Silva comandando o meio-campo e Velloso dando segurança, chegou às semifinais do Brasileirão mostrando um futebol de muita qualidade.
  • Time de 1987 - Na Copa União, sob o comando de Telê Santana, fez uma primeira fase impecável e encantou. Invicto, foi eliminado nas semifinais pelo Flamengo. Renato Morungaba e Luisinho, mesmo experientes, foram os destaques.
  • Time de 1999 - Chegou ao mata-mata do Brasileirão cercado de desconfiança e eliminou Cruzeiro e Vitória nas quartas e na semifinal. Foi o melhor ano da dupla Marques e Guilherme com a camisa do Galo. Perdeu a final nacional para o Corinthians.
  • Time de 1989 - Com Luisinho e Renato novamente no comando, com auxílio de Éder, fez um excelente primeiro semestre e começou muito bem a edição inaugural da Copa do Brasil. A equipe foi desmontada no segundo semestre, quando foi discreta no Brasileirão.
  • Time de 1991 - Outro time que fez um excelente Brasileirão e parou na semifinal, desta vez diante do São Paulo. Destaque para o zagueiro Cléber, em ótima fase. No segundo semestre, venceu o Campeonato Mineiro.

Comentários